Arcebispo sírio: nos ataques do exército turco morre um povo inocente

  • Home
  • -
  • Notícias
  • -
  • Arcebispo sírio: nos ataques do exército turco morre um povo inocente
Arcebispo sírio: nos ataques do exército turco morre um povo inocente
Fonte: VATICANO

Arcebispo sírio: nos ataques do exército turco morre um povo inocente

O arcebispo ortodoxo sírio mar Maurice Amsih acusa as "forças de ocupação" de terem como alvo uma comunidade "inocente". Nos ataques dos últimos dias, ele acusa, pelo menos 10 civis morreram, dezenas ficaram feridos e houve sérios danos materiais. O ministro da Defesa turco confirma operações transfronteiriças para matar soldados. Forças democráticas sírias: quase 800 ataques do exército de Ancara em 2023

Ouça e compartilhe

"As forças de ocupação turcas continuam atacando nosso povo". Esse é o grito de alarme levantado pelo arcebispo ortodoxo sírio de Jazira e Eufrates mar Maurice Amsih, um território que inclui as províncias de Hassaké e Deir-El-Zor, perto da fronteira turca, ao comentar a escalada militar dos últimos dias no nordeste da Síria.

Para o religioso, trata-se de uma "violação" flagrante das "convenções" e dos "padrões religiosos e humanitários" internacionais. Suas palavras refletem os relatos de fontes locais de que, desde 23 de dezembro, o exército turco intensificou seus ataques em uma região há muito disputada, que tem sido palco de intensos combates.

Nas violências dos últimos dias, pelo menos 10 civis morreram, dezenas ficaram feridos e houve várias perdas e danos materiais a propriedades, várias instalações e infraestruturas.

"A Turquia não sabe o que é humanidade"

Com relação aos bombardeios turcos dos quais a região tem sido alvo, o arcebispo ortodoxo sírio relata que "este ano é diferente dos anteriores, por causa das guerras em andamento em todo o mundo que têm como alvo pessoas de todas as etnias. Esses conflitos são desprovidos de humanidade e violam os documentos e os tratados internacionais" destinados a "proteger a humanidade". Mar Maurice Amsih afirma que eles "afetam todos os componentes, sem distinção".

A força de "ocupação" turca, prossegue o arcebispo, continua bombardeando o norte e o leste, atingindo "aleatoriamente" vários alvos: oficinas, fábricas, instituições econômicas e hospitais "para destruir as fontes vitais na região".

Para o expoente eclesiástico, a última onda de violência representa uma "nova tragédia" que se "soma" às outras que atingiram os sírios nos últimos anos. "A Turquia - adverte ele na entrevista à agência de notícias Hawar, relançada pela Aina - não cessou seus ataques brutais", pelo contrário, "intensificou-os" nos dias de Natal. "A tragédia do povo sírio é grande, e a Turquia não sabe o que é humanidade". Esperamos que o novo ano que acaba de começar, conclui o prelado, traga "segurança e paz em toda a Síria".

Curdos na Síria e Iraque sob fogo cruzado do Irã e Turquia

Os números reforçam o alarme: recentemente, a Turquia atacou 71 locais ligados a grupos curdos na Síria e no norte do Iraque, em retaliação - de acordo com a versão de Ancara - pela morte de 12 soldados turcos no Iraque, mortos em combates com milicianos curdos do PKK. "Nossa dor é grande, mas nossa determinação é total", disse no X o ministro da Defesa, Yasar Guler. "Nós vingamos (a morte) de nossos preciosos filhos e continuaremos a fazê-lo".

Há muito tempo, os curdos na Síria e no Iraque estão sob fogo cruzado do Irã e da Turquia, cujos mísseis e drones causaram vítimas e danos graves às infraestruturas em áreas que já foram alvo de bombardeios pesados e ofensivas militares no passado. Teerã está concentrando suas operações no Curdistão iraquiano, onde acredita haver bases da resistência curda e expoentes ligados à oposição. Essa repressão se intensificou após a morte da mulher curda Mahsa Amini, de 22 anos, em setembro de 2022.

Ao mesmo tempo, Ancara intensificou suas operações do outro lado da fronteira, considerando a área curdo-síria como a área de origem da célula do PKK (e Ypg) que atacou em 13 de novembro do ano passado no atentado em Istambul, deixando seis mortos e dezenas de feridos.

Pelo menos 39 civis mortos, incluindo 11 crianças

De acordo com um balanço das Forças democráticas sírias (Sdf) em 2023, a Turquia realizou 798 ataques em áreas sob o controle do grupo combatente, incluindo 103 com drones e aeronaves, atingindo 74 instalações civis e infraestruturas relacionadas ao petróleo.

Além disso, Ancara e forças a ela associadas realizaram 578 operações com armas pesadas (incluindo artilharia) e 25 ataques com armas leves e franco-atiradores. Ademais, lançaram dois ataques com dispositivos explosivos improvisados e minas antipessoais.

Ainda, as Forças democráticas sírias informaram que 173 de seus combatentes foram mortos em ataques de grupos turcos, do autodenominado Estado islâmico (Ei, ex-Isis) e do governo sírio, provavelmente referindo-se aos combatentes tribais apoiados por Damasco em Deir ez-Zor. Por fim, o balanço dá conta de pelo menos 39 civis mortos, incluindo 11 crianças.

(com AsiaNews)

DomSegTerQuaQuiSexSab
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19202122
23242526272829
30123456
DomSegTerQuaQuiSexSab
30123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
DomSegTerQuaQuiSexSab
28293031123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293012345
DomSegTerQuaQuiSexSab
293012345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
DomSegTerQuaQuiSexSab
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
1
2
3
4

Livros Recentes