Guiné-Bissau. Liga dos Direitos Humanos considera 3 últimos anos de terrorismo de Estado

  • Home
  • -
  • Notícias
  • -
  • Guiné-Bissau. Liga dos Direitos Humanos considera 3 últimos anos de terrorismo de Estado
Guiné-Bissau. Liga dos Direitos Humanos considera 3 últimos anos de terrorismo de Estado
Fonte: VATICANO

Guiné-Bissau. Liga dos Direitos Humanos considera 3 últimos anos de terrorismo de Estado

A Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) considera os anos 2020 e 2022 como anos de terrorismo de Estado, marcados pelos raptos e espancamentos na Guiné-Bissau.

Casimiro Jorge Cajucam – Rádio Sol Mansi, Bissau

O relatório sobre direitos humanos nos últimos três anos na Guiné-Bissau, divulgado esta quinta-feira, 18/01/24, denuncia ainda o “autoritarismo” e a “apetência pela ditadura” na Guiné-Bissau, e refere que a democracia no País está em “estádio avançado de desmantelamento”. Bubacar Turé assegura que nos últimos três anos o País conheceu os fenómenos nunca antes vistos.

“O período a que reporta o relatório, é marcado por maior recuo na promoção e defesa dos valores da dignidade da pessoa humana, sendo que os problemas anteriores, longe de serem superados, transmitiram para o período contemporâneo e deram origem aos novos desafios, tratando da ineficácia e ineficiência da justiça estadual que ainda continua a reclamar da urgência uma reforma profunda”, diz referindo que “ nestes três anos, o País conheceu os fenómenos nunca antes vistos caracterizados por raptos e espancamentos de cidadãos, perpetrados por um grupo de milícias patrocinados por certas estruturas de Estado, com missão de praticar atos que, na perspetiva da Liga, correspondem a terrorismo de Estado”, assegurou.

Oiça aqui a reportagem e partilhe

A Guiné-Bissau que recentemente comemorou os 50 anos da independência, continua a ocupar as piores posições no ranking do desenvolvimento humano, enfatizou Bubacar Turé, presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos que, no entanto, exorta as autoridades nacionais no sentido de abandonarem ações de ataque aos Direitos Humanos.

“Exortamos as autoridades nacionais no sentido de abandonarem as ações de ataque aos Direitos Humanos, adequando as suas condutas à Constituição e às demais leis em vigor na Guiné-Bissau, porque a lei deve ser o critério, o fundamento e o limite de atuações de todas as autoridades nacionais”, concluiu. 

O relatório da Liga foi produzido no âmbito do projeto “Direitos Humanos em Risco na Guiné-Bissau, e que teve apoio financeiro de Camões, refere que é “frustrante” constatar o recuo nos esforços de combate ao tráfico de drogas, traduzido na cumplicidade de algumas instituições de segurança e do sistema judiciário com as redes criminosas de tráfico.

“Contrariamente ao preceituado na Constituição da República da Guiné-Bissau, o exercício da magistratura suprema do Presidente Umaro Sissoco Embaló foi e continua a ser caracterizado por intervenções ofensivas”, refere o documento.

DomSegTerQuaQuiSexSab
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23242526272829
30123456
DomSegTerQuaQuiSexSab
30123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
DomSegTerQuaQuiSexSab
28293031123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293012345
DomSegTerQuaQuiSexSab
293012345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
DomSegTerQuaQuiSexSab
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
1
2
3
4

Livros Recentes