O grito do arcebispo de Santiago sobre a guerra entre Israel e Palestina: basta!

  • Home
  • -
  • Notícias
  • -
  • O grito do arcebispo de Santiago sobre a guerra entre Israel e Palestina: basta!
O grito do arcebispo de Santiago sobre a guerra entre Israel e Palestina: basta!
Fonte: VATICANO

O grito do arcebispo de Santiago sobre a guerra entre Israel e Palestina: basta!

Natural da Palestina e titular da arquidiocese de Santiago do Chile, dom Fernando Chomali, publicou uma carta forte na qual denuncia o mercado de armas e ressalta o cansaço da humanidade face à guerra, e apela pelo fim da violência, fazendo eco aos apelos do Papa Francisco

Dom Fernando Chomali Garib - Arcebispo de Santiago do Chile

O Chile acolhe a maior número de emigrantes palestinos do mundo, fora de Israel e do mundo árabe. Quase 500 mil pessoas de primeira ou segunda geração nasceram em terras sul-americanas. Um deles é o arcebispo de Santiago, dom Fernando Chomali Garib, que escreveu para o "El Mercúrio", o principal jornal diário do país, no qual sublinha a amizade histórica entre judeus e palestinos no Chile, mas alerta para a tragédia do atual conflito armado na Terra Santa. No texto, que foi amplamente difundido, dom Chomali faz eco dos constantes apelos do Papa Francisco à paz e das suas denúncias contra os poderosos que controlam as guerras.

“Em Gaza e em Israel, o grande ausente é o mandamento de não matar.”

Eis o texto integral de dom Garib:

Gritem aos céus os feridos e os mortos devido à violência do Hamas e do exército israelita. Gritem aos céus os milhões de palestinos que tiveram de abandonar as suas casas e os seus empregos para proteger as suas vidas. Gritem aos céus os reféns israelenses que só querem regressar às suas casas e estar com as suas famílias. Gritem aos céus o total desrespeito pela vida, pelas crianças, pelos idosos e pelos inocentes.

Perante esta dor infinita e dilacerante, só nos resta ajoelhar e rezar, consolar e trabalhar para que esta guerra acabe depressa e para sempre. A dor de uma mãe, de um pai, de um irmão ou de um amigo que perde um ente querido ou que é raptado não tem religião, nacionalidade ou filiação política.

Esta guerra, e as outras que infelizmente estamos presenciando e que, como Francisco nos recordou, apenas prenunciam um terceiro conflito em escala global, deixa claro que os países ignoram os sentimentos da grande maioria da humanidade, as organizações internacionais e os incessantes apelos do Papa à paz, ao diálogo e à resolução pacífica dos conflitos.

É igualmente triste e escandaloso ver os poderosos senhores da guerra escrupulosamente protegidos, enquanto muitos jovens, alguns até desconhecendo os antecedentes deste massacre, expõem as suas promissoras vidas nas trincheiras da morte.

É também de arrepiar o fato de que, para aqueles que concebem, produzem e vendem armas, a guerra é puro negócio e, de acordo com a sua lógica, quanto mais dura e mais disseminada, melhor. Lucrar com a dor, o sofrimento e a morte de milhares de pessoas é um crime contra a humanidade.

Esta guerra não é entre palestinos e israelenses, nem entre muçulmanos e judeus. A grande maioria quer viver em paz e está farta de tanta violência. Esta é uma guerra cujos autores finais não se apercebem de que a violência só gera mais violência. É triste que, cegos pela sua visão de mundo e pela sua história, ignorem que é urgente um cessar-fogo porque todas as vidas humanas são sagradas e porque cada gota de sangue derramada é uma vergonha para a humanidade, que todos partilhamos, e um fracasso retumbante da sociedade.

No Chile, as pessoas de origem palestina e judaica sempre coexistiram pacificamente. Conheceram-se desde crianças na escola, estudaram nas mesmas universidades, criaram empresas em conjunto e formaram amizades profundas que se perpetuaram de geração em geração. Além disso, trabalharam juntos em altas responsabilidades políticas, acadêmicas, empresariais e sociais. Seria triste, uma perda e um erro transferir este conflito doloroso e sangrento para o nosso próprio país e começar a insuflar o ódio no Oriente Médio, especialmente nas gerações mais jovens. Este é um caminho sem retorno e cabe a nós, adultos, evitá-lo. Não está na hora de se ter tolerância, mais abertura de espírito, compreensão mútua e vontade de unir esforços para espalhar a esperança de que a paz é possível?

Rezo a Deus que a voz daqueles que querem uma sociedade livre de guerras seja ouvida e que o desejo dos palestinos de terem o seu próprio Estado se concretize em breve, para que se possa construir um futuro próspero na região, onde palestinos e israelenses possam viver em paz, professar a sua fé e construir um futuro em conjunto.

Justiça é o novo nome da paz. Rezo para que os mercenários da guerra tomem o caminho da conversão e deixem de se enriquecer à custa do sofrimento de tantos inocentes. Peço a Deus que a voz e a oração incessante do Papa Francisco sejam ouvidas com mais atenção e de todos nós que dizemos, tomados por um grande sentimento de impotência, amargura e dor na alma, basta!

DomSegTerQuaQuiSexSab
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23242526272829
30123456
DomSegTerQuaQuiSexSab
30123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
DomSegTerQuaQuiSexSab
28293031123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293012345
DomSegTerQuaQuiSexSab
293012345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
DomSegTerQuaQuiSexSab
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
1
2
3
4

Livros Recentes