O Papa: não ao rigorismo e ao preconceito nos casos de nulidade, favorecer a verdade e o bem das pessoas

  • Home
  • -
  • Notícias
  • -
  • O Papa: não ao rigorismo e ao preconceito nos casos de nulidade, favorecer a verdade e o bem das pessoas
O Papa: não ao rigorismo e ao preconceito nos casos de nulidade, favorecer a verdade e o bem das pessoas
Fonte: VATICANO

O Papa: não ao rigorismo e ao preconceito nos casos de nulidade, favorecer a verdade e o bem das pessoas

Francisco recebeu os Prelados Auditores do Tribunal da Rota Romana, aos quais recomendou discernimento "de joelhos" nos processos de nulidade dos matrimônios. Aos juízes, o Papa recomendou a oração: "Um juiz que não sabe se ajoelhar é melhor que peça demissão".

Mariangela Jaguraba - Vatican News

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta quinta-feira (25/01), na Sala Clementina, no Vaticano, os Prelados Auditores do Tribunal da Rota Romana por ocasião da inauguração do Ano Judiciário.

Francisco refletiu com eles sobre um aspecto importante desse serviço: o discernimento. "Pretendo me concentrar naquele discernimento específico que cabe a vocês realizar nos processos matrimoniais, no que diz respeito à existência ou não de motivos para declarar a nulidade de um matrimônio", disse o Papa.

"É um tema sempre atual, que também tocou o âmbito da reforma implementada dos processos de nulidade matrimonial, bem como a pastoral familiar, inspirada pela misericórdia para com os fiéis que se encontram em situações problemáticas", sublinhou o Pontífice.

O Tribunal da Rota Romana lida com os delicados e às vezes dolorosos julgamentos de casos de nulidade matrimonial, dos quais Francisco pede que favoreçam "não a nulidade dos matrimônios, mas a celeridade dos processos, com uma justa simplicidade, de modo que por causa da demora na definição do julgamento, o coração dos fiéis que esperam o esclarecimento de seu estado não seja oprimido por muito tempo pela escuridão da dúvida".

Essa misericórdia, tão enfatizada na Exortação Amoris laetitia, "não diminui o nosso compromisso na busca da justiça no que diz respeito às causas de nulidade. Pelo contrário, à luz da misericórdia, da misericórdia para com as pessoas e suas consciências, é importante o discernimento judicial em relação à nulidade", enfatiza o Papa.

"Como vocês bem sabem, por sua própria experiência, a tarefa de julgar muitas vezes não é fácil", disse ainda o Papa. O discernimento para alcançar a certeza moral sobre a nulidade é "uma grande responsabilidade que a Igreja lhes confia, porque influencia fortemente a vida das pessoas e das famílias", disse Francisco aos Prelados Auditores do Tribunal da Rota Romana.

Devemos enfrentar esta tarefa com coragem e lucidez, mas, antes de tudo, é fundamental contar com a luz e a força do Espírito Santo. Queridos juízes, sem a oração vocês não podem ser juízes. Se alguém de vocês não reza, por favor, peça demissão. É o melhor assim.

É, portanto, um discernimento que se faz "de joelhos implorando o dom do Espírito Santo". Segundo Francisco, "essa é a única maneira de chegar a decisões que vão na direção do bem das pessoas e de toda a comunidade eclesial". E insistiu, dizendo: "Um juiz que não sabe se ajoelhar é melhor que peça demissão".

Ao mesmo tempo, a objetividade do discernimento judicial exige “estar livres de qualquer preconceito, tanto a favor quanto contra a declaração de nulidade”. Isto, explicou o Papa Francisco, implica libertar-se tanto do “rigorismo de quem pretende uma certeza absoluta” quanto de “uma atitude inspirada na falsa convicção de que a resposta melhor seja sempre a nulidade”, aquilo que São João Paulo II chamou de “risco de uma compaixão mal compreendida, apenas aparentemente pastoral”.

O discernimento do juiz requer duas grandes virtudes: a prudência e a justiça, que devem ser informadas pela caridade.

Uma prudência que diz respeito a um ato declarativo sobre a existência ou não do bem do matrimônio; portanto, uma prudência jurídica que, para ser verdadeiramente pastoral, deve ser justa. O discernimento justo implica um ato de caridade pastoral, mesmo quando a sentença for negativa. E também um risco.

O discernimento sobre a validade do vínculo é uma operação complexa, a respeito da qual não devemos esquecer que a interpretação da lei eclesiástica deve ser feita à luz da verdade sobre o matrimônio indissolúvel, que a Igreja preserva e difunde em sua pregação e missão.

DomSegTerQuaQuiSexSab
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23242526272829
30123456
DomSegTerQuaQuiSexSab
30123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
DomSegTerQuaQuiSexSab
28293031123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293012345
DomSegTerQuaQuiSexSab
293012345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
DomSegTerQuaQuiSexSab
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
1
2
3
4

Livros Recentes