Ucrânia, a Igreja ao lado dos refugiados para os acolher e proteger

  • Home
  • -
  • Notícias
  • -
  • Ucrânia, a Igreja ao lado dos refugiados para os acolher e proteger
Ucrânia, a Igreja ao lado dos refugiados para os acolher e proteger
Fonte: VATICANO

Ucrânia, a Igreja ao lado dos refugiados para os acolher e proteger

A população se prepara para passar um segundo inverno em plena guerra. Além da ameaça de novos apagões e da falta de aquecimento, as pessoas deslocadas não têm perspectiva de voltar para casa. Assim, elas precisam reinventar suas vidas, com a ajuda também da Igreja greco-católica, como na região de Lviv, no oeste do país.

Xavier Sartre – Lviv

O outono envolve o mosteiro basiliano de Briukhovychi, cerca de dez quilômetros a noroeste do centro de Lviv, com um certo torpor. Ao redor da igreja, construída em 2019, os edifícios do mosteiro e do seminário da ordem monástica greco-católica recuperaram a calma após várias semanas de agitação devido ao início da guerra. Nesses grandes edifícios com fachadas brancas, que ficam à beira de uma floresta, os monges abrigavam até 140 deslocados ao mesmo tempo. Hoje, restam apenas cerca de 60. Os outros foram para o exterior ou conseguiram encontrar outras acomodações, seja nos arredores ou em Lviv.

Andryi ficou. Originário de Donetsk, no leste, esse operário qualificado, com rosto redondo e barba de três dias, foi obrigado a deixar sua região desde o início da revolução de 2014. Após a invasão russa em fevereiro de 2022, ele vive novamente uma nova fuga, desta vez com sua esposa Tatiana, no oeste, onde encontrou sua filha que tinha encontrado refúgio na casa de uma amiga depois de ter sido obrigada a fugir de Kharkiv, e agora foi para a Irlanda. Para Andryi, a dor da fuga ainda é grande, mas pelo menos, depois de encontrar um trabalho nas ferrovias, ele tem um lugar para morar e pode contar com a solidariedade dos habitantes da região.

“Eles nos tratam bem”, confidencia timidamente. “Vi que as pessoas aqui são mais generosas do que do lugar de onde eu vim e eu poderia dar muitos exemplos. Mesmo antes da guerra, quando vínhamos para as montanhas (no sudoeste do país, ndr.) vimos que as pessoas aqui eram diferentes, que a atmosfera não tinha nada a ver com a do leste." No entanto, admite que a vida não é nada simples: “Gostaria que a minha filha se juntasse a nós, que todos pudéssemos ir viver no sul da Ucrânia, onde há mais sol e é mais quente”.​

Andryi é um dos poucos deslocados do mosteiro Briukhovychi que concorda em falar. Os demais preferem não se expressar publicamente. A dor do exílio ainda é muito forte, os olhos rapidamente se enchem de lágrimas ao lembrar o que foi vivido. Daria se expõe e concorda em responder algumas perguntas. Esta jovem morena, mãe de uma menina, chegou de Zaporizhzhia, onde se encontra a maior central nuclear da Europa e local de duros confrontos entre tropas as ucranianas e russas. A lembrança de sua fuga ainda aperta seu coração.

"Quando eu e minha filha partimos, estávamos com muito medo, não sabíamos onde iríamos parar, se na Ucrânia ou em outro lugar”, diz ela com a voz trêmula. “Tínhamos apenas bolsas pequenas e nada mais. No final paramos em Lviv graças à ajuda de voluntários. Os frades nos acolheram, nos disseram para ficar. Para nós foi uma surpresa, não só porque nos deram um teto, mas também porque nos deram comida e oportunidade de conversar. Eles nos apoiaram e estamos muito gratos. Então, como nos sentimos? Mesmo que não seja a nossa cidade, nos sentimos em casa, na Ucrânia", continua ela, emocionada.

Naturalmente, ela sente falta da sua vida de antes: casa, família, amigos. Você ficaria em Lviv ou tentaria voltar para Zaporizhzhia? Daria ainda não sabe, é muito cedo e o país ainda está em guerra, com sua cidade também localizada perto da fronte. Sua filha é sua principal fonte de alegria. Vai à escola, convive com crianças da sua idade e, acima de tudo, “já não tem de ver a destruição causada pelos combates e não tem de sofrer demasiados ataques aéreos”, explica Daria, considerando que a região de Lviv foi, até agora, quase poupada pelos bombardeamentos russos.​

O encontro de dois mundos

A algumas dezenas de quilômetros a sudoeste de Lviv se encontra a Laura de Univ, um mosteiro da Ordem Estudita um local de grande espiritualidade na Ucrânia há vários séculos. Os prédios históricos abrigam uma comunidade de monges que vive ao ritmo das funções e geralmente recebem muitos peregrinos. Aqui também, nas primeiras semanas da guerra, em meio ao caos total, centenas de pessoas, fugindo do avanço das tropas russas, acorreram a esse refúgio de paz.

Trezentas pessoas encontraram refúgio lá, todas ao mesmo tempo, um número que diminuiu gradualmente para cerca de trinta hóspedes no verão passado. A comunidade Estudita agora abriga apenas uma família de Vouhledar, uma cidade no oblast de Donetsk, cuja casa foi destruída. O filho é deficiente e está acamado, e os pais não têm condições financeiras de encontrar uma nova casa, pois não trabalham, exceto para ajudar no monastério.

DomSegTerQuaQuiSexSab
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23242526272829
30123456
DomSegTerQuaQuiSexSab
30123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
DomSegTerQuaQuiSexSab
28293031123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293012345
DomSegTerQuaQuiSexSab
293012345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
DomSegTerQuaQuiSexSab
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
1
2
3
4

Livros Recentes