Terra Santa: patriarca Pizzaballa, "a paz exige verdade nas relações"

  • Home
  • -
  • Notícias
  • -
  • Terra Santa: patriarca Pizzaballa, "a paz exige verdade nas relações"
Terra Santa: patriarca Pizzaballa, "a paz exige verdade nas relações"
Fonte: VATICANO

Terra Santa: patriarca Pizzaballa, "a paz exige verdade nas relações"

"Para nós, a identidade cristã não é um baluarte a ser defendido, mas um lar hospitaleiro e uma porta aberta para o mistério de Deus e do homem, onde todos são bem-vindos. Nós, com Cristo, somos para todos", afirma o cardeal Pizzaballa. "A diferença cristã, de fato, não consiste em nossa força, nossas posses, nosso possível prestígio. A diferença cristã está em nossas escolhas de reconciliação, de diálogo, de serviço, de proximidade, de paz. Para nós, o outro não é um rival, ele é um irmão", diz

Ouça e compartilhe

"A paz exige que se faça a verdade nas relações, que se chegue a reconhecer o mal feito e sofrido, o que nunca é fácil e sempre é doloroso. Fazer a verdade, assumir a responsabilidade pelos males e erros sofridos ou, às vezes, cometidos, nunca é um dado adquirido e requer muita coragem e amor sincero". Foi o que disse o patriarca latino de Jerusalém, cardeal Pierbattista Pizzaballa, ao celebrar a missa desta segunda-feira na cidade santa na Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria.

"A verdade, porém, torna-se completa quando encontra também o perdão. Uma verdade que não é iluminada pelo desejo de perdão", acrescentou, "corre o risco de se tornar recriminação, uma ocasião de confronto e solidão". Daí, o pedido a Deus para que "não nos abandone aos nossos medos, à mercê dos pensamentos de morte e de seus grilhões".

"Estou cada vez mais convencido de que, nesse contexto complexo, a principal vocação e missão da pequena comunidade cristã é exatamente esta: nutrir o desejo de encontro, cultivar a liberdade com respeito a todos, superar as fronteiras étnicas, religiosas e identitárias de vários tipos que, embora não escritas, estão, no entanto, rigidamente escritas na consciência desses nossos povos".

"Coragem e loucura"

O encontro requer "coragem e loucura", especialmente em contextos, "como o nosso, de conflito quase permanente, em que religião, política, identidade nacional se misturam constantemente, narrativas diferentes e opostas alimentam a suspeita e a desconfiança mútuas entre os habitantes desta Terra e cultivam na consciência de muitos o espírito de conquista, a violência e o desprezo por aqueles que são diferentes de si mesmos".

“Essas são narrativas que poluem o coração de muitos que, por causa de tudo isso, lutam para entender todas as propostas possíveis de encontro e confundem cada vez mais a paz com a vitória. É um mal-entendido que se repete com frequência, talvez não apenas no Oriente Médio.”

Para o patriarca latino, "não se trata de cancelar as próprias pertenças, que são boas e necessárias, uma base sólida sobre a qual construir a vida comum. Mas não para torná-las apenas fortalezas inexpugnáveis, baluartes inacessíveis, guarnições a serem defendidas. Precisamos também do testemunho de uma comunidade que saiba viver, em primeiro lugar internamente e em contextos abertos e compartilhados, essa liberdade", reiterou Pizzaballa.

Reconciliação, diálogo, serviço, proximidade e paz

"E nossa pequena comunidade cristã poderia fazer essa diferença. É o meu sonho e é a loucura que eu gostaria de compartilhar com toda esta pequena e amada Igreja de Jerusalém. A diferença cristã, de fato, não consiste em nossa força, nossas posses, nosso possível prestígio. A diferença cristã - concluiu ele - está em nossas escolhas de reconciliação, de diálogo, de serviço, de proximidade, de paz. Para nós, o outro não é um rival, ele é um irmão".

“Para nós, a identidade cristã não é um baluarte a ser defendido, mas um lar hospitaleiro e uma porta aberta para o mistério de Deus e do homem, onde todos são bem-vindos. Nós, com Cristo, somos para todos.”

A missa também foi concelebrada, entre outros, pelo custódio da Terra Santa, padre Francesco Patton, que fez uma reflexão sobre a paz: "Para nós, cristãos, ela não é simplesmente a ausência de guerra ou a harmonia nas relações, mas é uma pessoa, a paz é Jesus. E assim talvez entendamos ainda melhor a bênção que encontramos hoje na primeira leitura, tão cara a São Francisco, na qual se invoca que ‘o rosto de Deus brilhe sobre nós e nos manifeste a misericórdia e a paz de Deus’. O rosto de Deus que brilha sobre nós é o rosto de Jesus, Filho de Deus e Filho de Maria. E dos lugares santos – concluiu - devemos continuar a propor o rosto de Jesus, porque eles são o testemunho histórico de seu rosto".

DomSegTerQuaQuiSexSab
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23242526272829
30123456
DomSegTerQuaQuiSexSab
30123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
DomSegTerQuaQuiSexSab
28293031123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293012345
DomSegTerQuaQuiSexSab
293012345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
DomSegTerQuaQuiSexSab
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
1
2
3
4

Livros Recentes