Cantalamessa: pela fé, Maria esperou contra toda esperança

  • Home
  • -
  • Notícias
  • -
  • Cantalamessa: pela fé, Maria esperou contra toda esperança
Cantalamessa: pela fé, Maria esperou contra toda esperança
Fonte: VATICANO

Cantalamessa: pela fé, Maria esperou contra toda esperança

A anunciação do anjo a Maria, a peregrinação de fé da Mãe de Deus e o convite a abrir as portas do coração a Jesus", foram os temas centrais da segunda pregação do Advento para o Papa e os membros da Cúria Romana na manhã desta sexta-feira, 22 de dezembro, conduzida pelo cardeal Raniero Cantalamessa, Ofm. Cap., Pregador da Casa Pontifícia.

"Bem-aventurada aquela que acreditou", esta passagem bíblica, do Evangelho segundo Lucas (1, 45), que será proclamada no Quarto Domingo do Advento, foi o fio condutor da Segunda Pregação para o Papa e os membros da Cúria Romana, conduzida pelo cardeal Raniero Cantalamessa, Ofm. Cap., Pregador da Casa Pontifícia, na manhã desta sexta-feira, 22 de dezembro, na Sala Paulo VI do Vaticano.

Depois de ter apresentado, na sexta-feira passada, a figura do precursor João Batista, hoje o cardeal capuchinho convidou-nos a deixar-nos conduzir pela mão da Mãe de Jesus para "entrar" no mistério do Natal. Nesse sentido, a história da Anunciação, destacou o Pregador, nos lembra como Maria concebeu e deu à luz a Cristo e como nós também podemos concebê-lo e dar à luz a Ele: pela fé!

O progresso da fé de Maria

Antes de explicar o mistério da fé de Maria, o cardeal Cantalamessa disse que aconteceu com ela a mesma coisa que com a pessoa de Jesus, ou seja, a questão do progresso de Jesus em conhecer a vontade do Pai e obedecê-la:

Algo de semelhante, eu dizia, se repetiu, tacitamente, para a fé de Maria. Dava-se por pressuposto que ela tivesse cumprido o seu ato de fé no momento da Anunciação e nele tivesse permanecido estável por toda a vida, como quem com a sua voz, alcançou de uma vez a nota mais aguda e a mantém interruptamente por todo o resto do canto. Dava-se uma explicação reconfortante de todas as palavras que pareciam dizer o contrário.

Uma nova dimensão da fé de Maria

Neste sentido, o Pregador disse que o dom que o Espírito Santo deu à Igreja, com a renovação da Mariologia, foi a descoberta de uma dimensão nova da fé de Maria. A Mãe de Deus – afirmou o Concílio Vaticano II – “avançou pelo caminho da fé” (LG 58). Não acreditou de uma vez por todas, mas caminhou na fé e progrediu nela. A afirmação foi retomada e tornada mais explícita por São João Paulo II na Encíclica Redemptoris Mater:

As palavras de Isabel: “Bem-aventurada aquela que acreditou” não se aplicam apenas àquele momento particular da Anunciação. Esta representa, sem dúvida, o momento culminante da fé de Maria na expectação de Cristo, mas é também o ponto de partida, no qual se inicia todo o seu caminho para Deus, toda a sua caminhada de fé (RM 14).

Maria acreditou, esperando contra a esperança

Depois da Anunciação e do Natal, o cardeal Cantalamessa destacou que, pela fé, Maria apresentou o Menino ao templo, pela fé ela o seguiu, mantendo um perfil discreto, em sua vida pública, pela fé ela ficou sob a cruz, pela fé ela esperou por sua ressurreição.

Está lá, impotente diante do martírio do filho, mas consente ao amor. É uma réplica do drama de Abraão, mas quão imensamente mais exigente! Com Abraão, Deus se detém no último momento, com ela não. Aceita que o filho seja imolado, o entrega ao Pai, com o coração dilacerado, mas de pé, forte pela sua fé inabalável. É aqui que a voz de Maria alcança a nota mais alta. De Maria, deve-se dizer com maior razão o que o Apóstolo diz de Abraão: esperando contra toda esperança, Maria acreditou e, assim, tornou-se mãe de muitos povos (Rm 4,18).

Greccio 1223

O Natal deste ano, disse o cardeal Cantalamessa, recorre o VIII centenário da primeira realização do presépio em Greccio. É o primeiro dos três centenários franciscanos, o qual seguirão, em 2024, o dos Estigmas do santo e, em 2026, o da sua morte. O seu primeiro biógrafo, Tomás de Celano, refere as palavras com que São Francisco de Assis explica a sua iniciativa: 

“Quero lembrar o menino que nasceu em Belém, os apertos que passou, como foi posto num presépio, e contemplar com os próprios olhos como ficou em cima da palha, entre o boi e o burro”.

Abramos a porta de nosso coração para Jesus

Infelizmente, continua o pregador da Casa Pontifícia, com o passar do tempo, o presépio se afastou daquilo que representava para Francisco. Tornou-se, frequentemente, uma forma de arte ou de espetáculo do qual se admira a montagem externa, mais do que o significado místico. Ainda assim, contudo, ele desempenha a sua função de sinal e seria tolo renunciar a ele.

O presépio é, portanto, uma tradição útil e bela, mas não podemos nos contentar com os tradicionais presépios externos. Devemos montar para Jesus um presépio diverso, um presépio do coração. Corde creditur: crê-se com o coração. Christum habitare per fidem in cordibus vestris: que Cristo venha habitar em vossos corações pela fé (Ef 3,17). Maria e o seu Esposo continuam, misticamente, a bater às portas, como fizeram naquela noite em Belém.

Não se trata de uma bela e poética ficção

Por fim, disse o cardeal Cantalamessa, em nosso coração, de fato, há lugar para muitos hóspedes, mas apenas para um dono. Deixar Jesus nascer significa deixar morrer o próprio “eu”, ou ao menos renovar a decisão de não mais viver para nós mesmos, mas por Aquele que nasceu, morreu e ressuscitou por nós (cf. Rm 14,7-9).

“Onde nasce Deus, morre o homem”, afirmou um certo existencialismo ateísta. É verdade! Morre, porém, o homem velho, corrompido e destinado, em todo caso, a terminar com a morte, e nasce o homem novo, “criado em justiça e santidade da verdade” (Ef 4,24). É uma empresa que não terminará com o Natal, mas pode começar com ele.

Antes de desejar a todos um Feliz Natal, o Pregador da Casa Pontifícia enalteceu a Mãe de Deus, que “concebeu Cristo no seu coração antes que no seu corpo”, nos ajude a realizar este propósito. “Feliz aniversário a Jesus – e Feliz Natal a todos: Santo – e amado – Padre, Papa Francisco, venerados Padres, irmãos e irmãs”, concluiu Cantalamessa.

DomSegTerQuaQuiSexSab
26
27
28
29
30
31
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19202122
23242526272829
30123456
DomSegTerQuaQuiSexSab
30123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031123
DomSegTerQuaQuiSexSab
28293031123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293012345
DomSegTerQuaQuiSexSab
293012345
6789101112
13141516171819
20212223242526
272829303112
DomSegTerQuaQuiSexSab
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031
1
2
3
4

Livros Recentes